Mural de Recados


deixe seu recado para Maria Avelina Fuhro Gastal

"Muito boa tua escrita."

Fátima Farias, Porto Alegre


"Parabéns, Maria Avelina ! Tuas reflexões sempre sensíveis e inteligentes 👏👏👏👏"

Neiva Carvalho , Porto Alegre


"Adorei o texto, ele expressa mta coisa q gostaríamos de dizer . Achei mto interessante a parte em q fala sobre o abismo de diferenças entre as pessoas mas ao mesmo tempo existem coisas em comum tipo; queremos nossas vidas de volta , queremos q nossos afetos vivam ....e é bem isso. Dormimos sem saber como será o dia de amanhã ( digo: sem poder planejar) e qdo acordamos tbm ficamos na incerteza de que como será nosso dia. "

Leila Regina de Jesus Souza , Alvorada


"Muito bom, Inha , principalmente qdo falas em não perdermos a nobreza de sermos humanos...parece que mal ou bem, o vírus está fazendo esta seleção... Que venham os textos de abril! Grande beijo "

Daisy Endler, Nova Petrópolis


"Na outra encarnação vou escrever bem assim. Nesta não tem mais chance. Parabéns Inha. Bjs"

Cristina, Porto Alegre


"Gostei muito do teu texto A Escolha de Sofia. Forte, contundente, corajoso. Parabéns. Tempos difíceis para o mundo, mais ainda em nossa República desgovernada. "

Ana Maria da Silveira Teixeira, Estância velha


"Este texto eu não gostei . Só consigo ver a preocupação das pessoas com os idosos. Aliás ontem eu comentava com meu filho que eu nunca tinha visto antes tanta solidariedade entre as pessoas no mundo todo! Abraços querida!"

PAULO DA CUNHA SERPA, Porto Alegre


"Belo texto amiga!"

PAULO DA CUNHA SERPA, Porto Alegre


"Já está virando rotina...parabéns..texto leve, porém real, e alto astral - muito conveniente na atual conjuntura...E mais uma coisa a declarar...Porto Alegre..é demais!!!!"

Daisy Endler, Nova Petrópolis


"A ficção e a realidade andam de mãos bem agarradas. Excelente! Bjs"

Maria de Lourdes Cecchele, Porto Alegre


"Amiga mais um texto perfeito, sabes o quanto admiro o teu talento para escrever, este texto deixa bem claro o momento que estamos vivendo. Sabe as vezes não sei o que é mais difícil para os brasileiros vencerem se é o Coronavirus ou o Presidente."

Gréti Maria Montier Alves, Porto Alegre


"Sempre ótimos teus textos!"

Gislaine Gonçalves Martins, Porto Alegre


"Belo texto, cheio de esperança. Valorizar o que realmente tem valor. Deixar fluir o que tem de melhor em nós. Parabéns!"

Maira Peruffo De Oliveira , Porto Alegre


"Ótima reflexão. Agora os exterminados são os velhos, aposentados e pobres. Os próximos serão os presidiários. "Limpeza social ". Que horror!"

Maira Peruffo De Oliveira , Porto Alegre


"Parabéns Inha, gostei muito. Espero que, quando tudo passar, não esqueçamos do que você escreveu neste texto. Que possamos ser mais simples e melhores. Bjs"

Cristina Martins, Porto Alegre


"A alguns anos venho aprendendo a exercitar a simplicidade da vida a curtir a natureza contemplar a perfeição de uma suculenta em um vaso na parede e a dar muito valor ao ócio. A curtir cada espaço da minha casa.... que adoro, curtir muito meus afetos, os encontro com minas amigas. O beijo, o abraço apertado são vida para mim. Teu texto fez aflorar em mim todos esses sentimentos e não sentir vergonha de expressar. Agora nada mais importa além da grande vontade de viver para voltar a abraçar meus filhos, meus netos meus amigos em um mundo mais justo"

Elizabeth da Silveira Brasil e Lisboa, POA


"É vdd, acho q qdo isso passar vamos querer abraçar até o desconhecido. Na minha casa antes eu era um turista agora sou um mega frequentador . Q coisa estranha, fico olhando ao redor e pensando numa maneira pra preencher o tempo. Ontem me deu uma dor no coração qdo olhei pela janela e vi o Pedro (meu neto) querendo andar de balanço mas ñ dava pq estava interditado, toda a pracinha interditada, e agora, como fazer ele entender q ali pode ter um bichinho q pode prejudicar a ele? Uma criança de 4 aninhos apenas. É mto louco tudo isso, é mto difícil entender q por causa desse " um bichinho " tivemos que ficar isolada de tudo e de todos. É inacreditável o q estamos vivendo. "

Leila Souza , Alvorada.


"Avelina... quanto tempo, heim? Emocionante narrativa do que estamos vivendo. Apertou meu coração... vieram as lágrimas. Mas de esperança... sim, de esperança. Acredito que tocar o coração das pessoas e transbordar a emoção é o melhor retorno que um artista pode ter. Parabéns! Um beijo"

Maria Cristina Demingos, mariademingos@gmail.com


"Conseguiste expressar muito bem o momento que hoje vivemos. Aproveitemos bem o nosso tempo para refletirmos sobre nossos valores e prioridades."

Criss Capra Mansur, Porto Alegre


"Obrigada, M. Avelina. Muito real o teu texto. Conseguiste expressar muito bem sentimentos que, certamente, são também os de muitos de nós."

Neiva M. Tebaldi Gomes, Porto Alegre


"É exatamente isso. Sempre traduzindo momentos e sentimentos de todos. Muito triste o que acontece, mas esta servindo para repensarmos a forma com que vivemos. "

Alessandra Gastal, Porto Alegre


"Tantas coisas que pensamos e sentimentos. Tua as escreveste de forma sensível e emotiva. É bom nos comunicarmos também pelo teu texto. À espera dos abraços. Obrigada."

Maria Rosa Fontebasso, P. alegre


"Deus te ouça, que essa pandemia sirva, de fato, pra mudar um pouco, pra melhor, humanidade! 🍀🍀🍀🍀 que Deus e os incansáveis profissionais da saúde nos ajudem!!💋💋💋"

Márcia Bystronski , Porto alegre


"Gostei da abordagem de tema por demais importante, Avelina, muito além de comemorar o dia da mulher. Trazes a tona conflitos de abuso repetitivo e abraças outros tantos de discriminação. O texto colocado em primeira pessoa vem com força e interrogações, toca, cutuca, sacode a gente, mesmo que se perceba uma cicatrização em processo avançado com muita luta e reconstrução pessoal. Calar jamais. Parabéns pelo texto! "

Sandra Feminino Stechman, Porto Alegre


"Texto direto, claro, como o assunto merece ser! Parabéns, querida. E obrigada por colocar em palavras o sentimento de tantas pessoas😘😘 Que esse teu texto seja considerado ANACRÔNICO o mais breve possível! 💋"

Marcia bystronski , Porto Alegre


"Boa definição para o Dia 8 , penso q falta mto respeito do mundo para com a mulher e tbm vejo q as próprias deveriam se valorizar mais, se cuidar mais principalmente em seus relacionamentos. "

Leila Regina de Jesus Souza , Alvorada


"Olha , Inha....sabe que qdo tive meus filhos, fui revolucionária.. e me tornei leoa...revolucionária porque já naquela época , então 1983, pensei : se for gay, vou ama-lo de a ser maneira...pois sempre será meu filho, é até numa cadeia será meu filho...o mesmo em relação à filha..se amar uma menina..É minha filha pra sempre é assim será amada...e qto a ser leoa..poderia, depois q nasceram, sair até nua...que me sentiria poderosa...É assim até hoje.. Mas, enfim, Parabéns pelo texto...que para mim são sempre oportunos e brilhantes...Parabéns, um beijo!"

Daisy Endler, Nova Petrópolis


"Muito bom. Concordo plenamente. "

Cristina Martins (Teca), Porto Alegre


"Bem realista o texto. Muito boa a confissão de que se pode sempre mudar melhorando, tirando as cascas, assumindo o que hoje se chama "sororidade", e lutar junto com todas para que haja mais conscientização acerca de segurança e apoio para enfrentar situações de abuso e violência. Muitas e infinitas são essas situações, o algoz é pior quando é astucioso. Parabéns pelo texto. É encorajador. "

Ana Maria da Silveira Teixeira, Estância Velha


"Também tenho uma certa contrariedade em comemorar o Dia da Mulher. Acho injusto, descabido. Afinal não é por ter um dia nosso que somos mais mulheres, reconhecidas e respeitadas. É pra ser sempre. Concordo que, enquanto houver uma cultura de penalizar a mulher por ser mulher, devamos gritar, unir forças e combater qualquer violência, física ou psicológica. Valeu, Ave, somente a denúncia vai nos salvar. Bjs "

Nara Accorsi , Porto Alegre


"Ainda bem que existe verão, férias e feriados que possibilita a fuga da rotina mortificante de cada dia. Ótimo texto! Bjão."

Giovana Cristina Tornquist, Porto Alegre


"Adorei o texto"

Elizabeth da Silveira Brasil e Lisboa, POA


"O que dizer a quem dá voz através da escrita de temas tão relevantes de forma competente?Sou fã! Tenho privilégio de conhecê-la e compartilhar muitos momentos gostosos.Admiro a escritora e amo esta amiga!"

Vera Lúcia Barreto Gorelik, Porto Alegre


"Ave, estás cada vez melhor. Li a última crônica sobre o Carnaval, adorei, mas a sobre viver e resistir em tempos de maturidade, está fantástica! Precisão e fluidez se tornaram tua marca. Ah, li todos os outros, não vou comentá-los um a um, mas também demonstram a tua competência. Continue, POR FAVOR! Bjos"

Sandra Silva, Porto Alegre


"Sinto-me representada nesta tua crônica, obrigada. O que podemos e devemos continuar fazendo é isto que fizeste com a tua palavra. "

Maria Rosa Fontebasso, P. alegre


"Acompanhei tua ansiedade. Que sagaz comparação entre trevas e escuridão. Infelizmente as trevas estão nos assombrando e deste vários indícios em teu texto. Por último, tem coerência do começo ao fim. Beijos."

MARIA ROSA FONTEBASSO, Porto Alegre


"Parabéns Avelina! Gostei muito, mais um texto fluído, gostoso de ler. A forma da narradora se colocar como espectadora de si traz notas de humor, de auto conhecimento que caracteriza a tua escrita. A angústia da personagem narradora frente a escuridão, a falta de ferramentas tecnológicas para ocupar o vazio de estar só, sem comunicação, presa em casa com baratas imaginárias ou não, esta escuridão real e simbólica, remete os leitores a nomes da literatura, a conflitos atuais, as trevas, ao posicionamento sempre necessário. Belo texto!"

Sandra Ungaretti Stechman, Porto Alegre/RS


"Avelina, adorei o texto, narrado com precisão, com reflexões da estranheza de estar tão próxima e tão distante na intimidade de dormir ao lado de alguém, a liberdade de cutucar, de conhecer o outro para saber o que funciona melhor quando, em tempos diferentes, ou com dificuldades que interferem a qualidade do sono do outro, e tudo isto com um humor fino, que nos carrega para a poltrona junto ao incômodo da liberdade cerceada que a narradora vive. Parabéns!"

Sandra Ungaretti Strechman, Porto Alegre


Isso é um assunto mto polêmico. Há
mto a ser dito, vivo mto essa realidade no meu dia a dia qdo estou pra cima e pra baixo, pessoas q ñ estão nem aí preucando os outros, já senti isso na própria pele. Tbm observo qdo elas jogam as baganas de cigarros no chão se o menor constrangimento... ou até mesmo os lixos (papéis, pets) pelas janelas dos ônibus e ninguém pode falar nada senão o bixo pega. E assim vamos vivendo sem poder fazer nada, deveria existir um número pra q a gente pudesse ligar e denunciar essas pequenas infrações causadas por essas pessoas q olham só para o próprio umbigo.

Leila Regina de Jesus Souza - Alvorada



Nada como uma história de avó e neta pra nos encantar. A leveza da infância trazida ao teu texto para nos fazer refletir sobre esses tempos difíceis que se apresentam. Uma linda netinha, com suas mãozinhas tecendo histórias junto com a vovó escritora, nos devolve o contato com as coisas belas que a vida ainda tem. Gostei muito dessa simplicidade aparente das historinhas de cotonetes que nos trazes com tanta emoção. Parabéns.

Ana Maria da Silveira Teixeira - Estância Velha



Um texto encantador Avelina, recheado de afeto, emoções, experiências partilhada de neta para avó e de avó para neta, a avó que constrói no dia dia da escrita o seu legado. Maravilha!

Sandra Ungaretti Stechman - Porto Alegre/RS



Nossa amiga começou com chave de ouro os textos de 2020, sem dúvida nestes tempos que estamos vivendo precisamos e muito da sabedoria dos nossos pequenos. A visão deles do tempo, sim são um alento para o que vivemos. Aprendemos com eles todos os dias e crescemos juntos com eles. O teu texto como todos os outros foi perfeito obrigada por me oportunizar este crescimento. Bjos

Gréti Maria Montier Alves - Porto Alegre



Amei o texto baseado em contos da "vida real" pois com essas crianças a gente aprende mto principalmente achar felicidade nos pequenos detalhes junto deles, elas nos supreende a cada dia. Encontrei uma semelhança entre a Alice e os meus netos , descobriram a felicidade de uma forma simples e descomplicada...Ela num simples brincar de cotonetes e meus netos qdo brincavam de escorregar com um pedaço de papelão. Foi mto divertido pra eles, acredito q da mesma forma pra Alice tbm, embora de uma outra maneira.

Leila Regina de Jesus Souza - Alvorada



"Um Presente de Natal" é mais que um texto, é memória viva, nos permite entrar no cenário da família, estar junto e entender o passado no sentido presente. O tempo passa e os detalhes se pronunciam, assim eu sinto em mim, apesar da visão mais prejudicada. Querida Avelina, um Feliz Natal!

Sandra Ungaretti Stechman - Porto Alegre/RS



Amiga se existe alguém que sabe como lidar com as palavras este alguém é você, me vi no teu último texto, o meu Natal em família a minha produção dos presentes para quem amo e também refleti sobre o que o Natal representou e representa para mim. Obrigada por fazer parte da minha vida e colocar em textos sentimentos que poucos conseguem. Feliz Natal e um Novo ano com esperanças renovadas.Bjos

Gréti Maria Montier Alves - Porto Alegre



Avelina! Teu texto fala da magia do Natal das crianças, dos adultos, de um tempo retido nas lembranças. Lembrei dos natais das minhas crianças... das invenções do Papai Noel...e de um natal em que ficaram tão enlouquecidas querendo avistar o noel em uma janela que passavam e passavam pelos presentes na árvore de Natal sem vê-los, tamanha a algazarra, misto de medo e alegria! Quantos recuerdos teu texto me trouxe! Que lindo! Obrigada por teres a magia das palavras. E Felicíssimo Natal junto a teus familiares!

Ana Maria da Silveira Teixeira - Estância Velha



Copiei o texto "Nome aos bois" e postei no meu facebook. Muito bom. BEIJO

MARIA ELIZABETH GASTAL FASSA - Porto Alegre



Nossa qta realidade, nua e crua. Pior q tenho que admitir q esse é o nosso mundo e q estamos a mercê disso tudo. Saímos sem a certeza de voltarmos .

Leila Regina de Jesus Souza - Alvorada



Teu texto sobre os filmes de nossa vida me tocou muito. Assisti a quase todos , e ainda vou assistir Coringa e A Odisseia dos Tontos, entre tantos mais recentes que não consegui ainda ter o prazer de assistir. Tua habilidade em mesclar os enredos dos filmes com fatos da vida real, tua e dos teus leitores , está muito bem escrita. Pra mim, o melhor de todos ainda é Cinema Paradiso. Inesquecível. Parabéns por mais este texto ótimo.

Ana Maria da Silveira Teixeira - Estância Velha



Um texto preciso, oportuno, excelente! Identifiquei o que sinto do início ao fim.
Parabéns, Avelina!

Sandra Ungaretti Stechman - Porto Alegre/RS



Mais um ótimo texto! A desigualdade social, esse fosso sem fim onde a fome é a desmedida, não pode muitas vezes ser bem avaliada por absoluta falta de parâmetros. Nós, os privilegiados, não conseguimos avaliar o que significa sentir f ome, tamanha a distância que nos separa da pobreza absoluta. Essa reflexão feita por Avelina neste texto dá a exata dimensao da incapacidade que temos de lidar com essa alteridade. Gera desconforto, faz pensar e aí reside um dos muitos méritos do texto. Parabéns, Avelina, por gerar esse desconforto, pois é a partir de situações cruas que , muitas vezes, iniciamos ações que podem fazer a diferença para os fesvslidos.

Ana Maria da Silveira Teixeira - Estância Velha



Nossa, esse texto é pura realidade deveria ser publicado num mural onde todos tivessem acesso . Num jornal, sim, nas colunas da Zero Hora . Sei lá, nas redes sociais, todas as redes . Ser lido pelo Pedro Bial pois a autora desse texto é maravilhosa , ela coloca cada palavra no seu devido lugar e aí precisaria de alguém q tbm lesse e desse ênfase a cada palavra pronunciada. Amei, pura emoção.

Leila Regina de Jesus Souza - Alvorada



Avelina, este texto CoaChar me fez pensar o quanto ainda temos que nos libertar. Adorei.

Maira Peruffo de Oliveira - Porto Alegre



O mundo na praça é mais que um texto, é uma entrega iluminada de amor a literatura e a vida, a trajetória até o exato ponto onde estás. Parabéns, Ave!

Sandra Ungaretti Stechman - Porto Alegre/RS



Amiga leio todos os teus textos e como sempre os considero perfeitos, mas este último além desta avaliação veio uma emoção muito grande pois tenho a alegria de poder afirmar que acompanhei cada passo desta conquista e naquele dia na feira do livro quando ouvi o teu nome no auto falante o meu orgulho foi em dobro me senti como se estivesse também ali dando o meu autógrafo. Parabéns pelo caminho vitorioso percorrido até agora e pelo o que virá.

Gréti Maria Montier Alves - Porto Alegre



Muito tocante teu texto sobre a feira do livro (2019).
Viagens e aventuras à espera dos sonhadores.

Dante Carlos Antunes - Porto Alegre



Muito bom acompanhar tuas memórias. São tuas, são particulares, mas também de quem as lê.

Maria Rosa Fontebasso - Porto Alegre



Perspectivas. Um texto muito apropriado para o momento em que vivemos, tolhidos quase na nossa liberdade de ir e vir. As lembranças que temos são de tempos dos quais falamos para nossos netos e só podemos olhar para seus olhos de sonho .. que ficam imaginando como, realmente, foram nossas infâncias. Vivemos num tempo mais livre quando fomos crianças, onde os medos eram outros. Muito bom o teu texto. Pra refletir sobre essa herança que, quer queiramos ou não, é o que restou para as gerações que nos sucedem. É o que permitimos.

Ana Maria da Silveira Teixeira - Estância Velha



Oi Avelina!
O texto toca um tema delicado e necessário, aponta a realidade assustadora de excessos e faltas que se pronunciam mais e mais. Na minha família as datas de presentes se restringiam a aniversário e Natal. E eu ficava intrigada com a Páscoa e o Dia das Crianças que passavam em branco lá em casa. Mas hoje é um tempo pra lá de esquisito, não é não? Como uma caricatura que salienta partes e diminui outras. Tudo polarizado. E esta culpa social inquietante que desperta em alguns, sendo ignorada por muitos. É tempo de despertar.
Parabéns pelo texto!

Sandra Ungaretti Stechman - Porto Alegre/RS



É vdd.... e as outras crianças como fica?

Leila Regina de Jesus Souza - Alvorada



Li o texto e fui procurar na minha memória da minha criança algum" dia especial da criança ",onde ganhei algum presente e não lembrei. Será que naquele tempo comemorávamos o dia da criança??????????

Neli C.Bernardes - Porto Alegre



12 de outubro não é de todas as crianças. Na verdade, é de bem poucas. Fica a pergunta circular: Essa sociedade tremendamente injusta é a causa da má política ou a má política é a causa da sociedade injusta?
Belo e verdadeiro texto.

José Contino Lisboa - Porto Alegre



Excelente texto Eu me indigno. Mostra, de um lado, todo o retrocesso civilizatório que vivenciamos e, de outro lado uma massa de gente que apoia o retorno à Idade Média. O texto é importante porque desnuda o absurdo destas ideias e a falta de humanidade dos seus apoiadores. Bela é importante reflexão. Parabéns!

Fabrício Sales - Porto Alegre



Ótimo texto, que retrata bem o que acontece nos tempos atuais. Também fico indignada com toda esse retrocesso que acontece. Tempos de trevas. Parabéns pelo texto.

Ana Maria da Silveira Teixeira - Estância Velha



Ótima estrutura da crônica, envolve fatos e pessoas responsáveis pela existência desses fatos, embora sejam alienadas e não o admitam. Parabéns.

MARIA ROSA FONTEBASSO - Porto Alegre



Parabéns, excelente escolha.

Leila Regina de Jesus Souza - Alvorada



Que bela lembrança da vó pequena!
Se a mim deu saudade imagino como é pra ti. Ela era uma criatura especial. Obrigado pela memória. Lindo!

Raul Hofliger - Brasília



Adorei o texto Vó Pequena. Percebi que a tua personalidade recebeu muita influência da tua avó. Com certeza a Alice terá ótimas lembranças e muito orgulho de ser tua neta. Bjs.

Maira Peruffo de Oliveira - Porto Alegre



Amei sua avó sem conhecê-la. Mto querida, atenciosa... generosa. Com certeza se a Alice soubesse dessa história ela diria que vcs tem mto em comum.

Leila Regina de Jesus Souza - Alvorada



Gostei muito do teu texto Tudo o que posso ser. Um toque de fino humor e sarcasmo, na medida certa. Ficou ótima tua crônica! Parabéns!

Ana Maria - Estância Velha



Adorei as etiquetas. Adorei tanto que resolvi fazer minhas próprias:
Também fiz minha lista de coisas que gostaria de ver etiquetadas:

a) Detergente para tirar manchas de pasta de dente da camisa
b) Aonde guardei aquele sapato que nunca me aperta
c) O simpático despertador estragado
d) Lembrança do que devo me lembrar
e) Local aonde guardei minha passagem para Passárgada
f) Aquela concha pequena onde fica escondida a lista de meus melhores amigos
g) A vingança maligna daquele, bem, deixa pra lá
h) As harmonias de todas as músicas que amo
i) A lista dos filmes que quero rever
j) Aviso que não estarei aqui para sempre

jose contino lisboa - porto alegre



Avelina, sobre o texto: Sonho de consumo... eu sempre gostei de etiquetar as minhas coisas na cozinha, as caixas com os meu guardados, os envelopes com documentos... Achei incrível as mesclas que fizeste incluindo os sentimentos! Realmente, muitas vezes temos vontade de rotular nossos sentimentos em uma pequena etiqueta! Ótima reflexão! &128079;&127996;&128139;

Sandra - Porto Alegre



Simplesmente show o "Sonho de consumo". Pela simplicidade e beleza. Muito bom!

Raul Hofliger - Brasília



É um prazer acompanhar a tua, cada vez maior, familiaridade com as palavras! O texto sobre como fugir da chuva está hilário, nunca imaginei ser tamanho o grau de dificuldade para manusear um aparelho protetor desses, seja guarda-chuva ou sombrinha. Parabéns, amiga!

Ilone Dreifus - Porto Alegre



Repito agora, o quanto admiro a qualidade dos teus contos e textos.
Nos textos, antevejo, logo ocuparas a coluna de um dos jornais da cidade.
Sacadas inteligentes, associações pontuais e riqueza de linguagem.
Saudades literárias, Ave!

Sandra Ungaretti Stechman - Porto Alegre



Acabei de ler o texto Como fugir da chuva entrando nela. Adorei! Não sabia que era tão complicado abrir um guarda-chuva!

Maira Peruffo de Oliveira - Porto Alegre



Gostei muito do Tudo lixo. Verbaliza meu sentimento que de tão amortecido...... Nem sai......

Elizabeth - POA



Como colega, sempre tive uma admiração por ti por todo conhecimento que detinhas e pelo trabalho realizado com muito zelo e competência. Aprendi muito contigo.
Agora, ao te observar fora do ambiente de trabalho, percebo o ser humano que “enxergava” em teu interior e te admiro mais ainda.
Muito obrigada por externares toda essa beleza e a compartilhares com as pessoas que têm o privilégio de poder ler as tuas sábias palavras.
Um grande beijo no teu coração.

maria cristina alves capra mansur - Porto alegre -RS



Não caminho a pé por PoA, mas descubro caminhos alternativos e nos deparamos diariamente com pessoas que da noite para o dia viram lixos humanos, moro na zona Norte e temos muitas pessoas que cuidam muito bem do lugar que fixam sua casa e muitos com seus animais convivendo no mesmo lugar. É doloroso vivenciar estas situações,e o sentimento de impotência que se apossa de mim. Ave parabéns por dividir conosco está realidade que muitos ignoram.

Neli Constância Bernardes - PoA



Mto tocante esse texto "Tudo Lixo" pois resumidamente esse é o quadro de descaso dos governantes para com o povo . É isso q obervo por onde passo no meu dia-a-dia, um dia as pessoas estão ali debaixo dos viadutos montando suas salas, seus quartos enfim tentando montar suas casas imaginárias, sim pq na realidade eles não tem nada para começar então precisam se virar da maneira q podem... e aí qdo eles consegue alguma coisa vem os poderosos e sem dó nem piedade determinam q aquilo tudo q elas conseguiram é nada mais nada menos q lixo, isso é deprimente. Assim penso q na medida do possível as pessoas deveriam seguir seu exemplo no sentido de caminhar pra ganhar mais qualidade de vida (por exemplo) e ao mesmo tempo ficariam por dentro dos acontecimentos q existe ao nosso redor, quem sabe ñ poderiamos assim ser um povo mais solidário, mais humano, ao ver tanta pobreza, carência.

Leila Regina de Jesus Souza - Alvorada



Sobre o texto Tudo Lixo...
Muito bom texto e reflexão Avelina. Eu fico muito triste ao ver tantos indigentes nesta cidade e o povo e governo em silêncio. ..tal governo sem querer fazer e nós, povo, muitas vezes sem saber o que pensar e o que fazer...e aí o que nos resta é medo, indiferença ou compaixão. ...Então que seja compaixão, e que nosso olhar para esses detalhes e essas pessoas sejam diferentes a cada dia, um olhar com mais compaixão e equidade sempre que possível.
Parabéns pela bela forma de se expressar...uma arte da escrita que faz a diferença em nossas vidas.

LEONARDO NONDILO - Porto Alegre



Muito bom! A luta continua! Ainda lutamos!

João Carlos Gastal Júnior - Brasília, DF



Palavras: "Ninho, casulo, casa, lar me envolvem como um cobertor macio que abriga meu corpo nas noites frias de inverno..." consigo sentir a suavidade e até o cheirinho com estas palavras! Parabéns Avelina!

Maira Peruffo de Oliveira - Porto Alegre



Avelina, ...não é novidade para ti o quanto aprecio os teus textos. Agora mesmo terminei a leitura de Ä última gota", onde as palavras se concentram na solidão, no desamparo, na tolerância, no lidar com a passagem do tempo, a angústia diante da morte que muitas vezes se apresenta a conta-gotas, a angustia interior, as escolhas, as desistências,... Dizes tanto em tão poucas palavras que bem poderia ser um ensaio sobre a solidão. A figura da senhora Rosaura, mãe ressentida no amargor do prenúncio de sua morte por afogamento, num desejo de vingança final. Encontrei a intensidade de teus contos no teu livro "Nós". Parabéns!

Sandra Ungaretti Stechman - Porto Alegre/RS



Ahh... palavras, que seria de nos sem elas? Lindas palavras, Avelina! Bela colocação.

Cristina Amaral - Porto Alegre



Adorei o texto sobre "Palavras " até me identifiquei com um parágrafo q fala sobre entendimento q às vezes me falta ao interpretá-la, tbm achei interessante os várias formas diferentes q ela se presenta. Texto maravilhoso, gostoso de se ler.

Leila Regina de Jesus Souza - Alvorada



Nem assisti para não desesperançar ainda mais (se é que isto é possível). Infelizmente acredito que não é para nós ( nem para nossos filhos) viver neste país mais justo que tu citas.
O desabafo é bom para a saúde e para poder continuar sobrevivendo. É o que temos. Desabafo contigo.

Raul Hofliger - Brasília



Compartilho contigo o desabafo. Escrever serve para isso também. Tens toda a razão. Senti-me em companhia e me juntando a tuas esperanças. Apesar de tudo.

Maria Rosa Fontebasso - P. alegre



Amiga acabo de ler o desabafo e é inevitável lembrar uma parte do nosso Hino Riograndense, "povo que não tem virtude acaba por ser escravo". Até quando vamos ser escravos de nós mesmos, do circo dos horrorres nós somos os principais palhaço s. Parabéns mais um texto especial.

Gréti Alves - Porto Alegre



Avelina, teu texto é o desabafo que tb trago na garganta. A tristeza de ver um país sendo entregue de bandeja a políticos sem postura, educação, pra não dizer vergonha na cara. Não tive a tua coragem de assistir ao circo dos horrores. Obrigada por ser minha porta-voz!

Nara Accorsi - POA/RS



Gostei muito Avelina. Parabéns.

Luis Alberto Inda Estima - Porto Alegre



Como sempre, li com curiosidade e prazer. Mas a tristeza e o desalento vêm gota a gota. O texto nos faz pensar em situações diversas, pode ser uma metáfora dos nossos tempos. Obrigada, Avelina.

Maria Rosa Fontebassoco - P. alegre



Acabei de ler o texto da "idosa" de 60 anos...E concordo com o Raul, de Brasília. .talvez porque esteja tb alcançando a marca; o texto,tratando pessoas com tanto potencial ainda , como idosas ,choca mais que a própria notícia !
Muito bom , Avelina...E no aguardo de novas "pérolas "...

Daisy Endler - Nova Petrópolis



Depois da diversão gostosa dos contos de “Nós” e, enquanto espero pelo próximo, tenho que registrar que me identifiquei muito com o texto “Idosa de 60 anos” (será coincidência? – faço 60 este ano). O fato é que “me representa”!
Também tenho esta sensação de que os outros é que nos olham como velhos, enquanto nós nos sentimos em pleno amadurecimento.
Aguardo ansioso pelas próximas reflexões!

Raul Hofliger - Brasília



Eu me vi nas tuas reflexões e é bom conversar com elas. Como tenho bem mais de 60 anos, sinto-me mais privilegiada ainda.

Maria Rosa Fontebasso - Porto Alegre



Avelina! Também fico as vezes chocado com as definições de idoso no nosso meio. Mas pelo simples fato de nos sentirmos atingidos com o adjetivo pouco valorizado expõe a inconformidade que temos com a definição desta palavra que nos lembra seres dependentes e pouco úteis para a sociedade.
Não nos sentimos assim! E isto só nos leva a reflexão do que significa a finitude! Terminarmos como uma chama que se apaga parece ser bem menos nobre do que dizia o John Waine " eu caio mas caio atirando".
Mas infelizmente, quer estejamos nos sentindo mais novos ou mais "idosos" precisamos nos preparar para a inevitável finitude (ou não ) da nossa experiência nesta vida!
Parabéns Avelina!

Paulo da Cunha Serpa - Porto Alegre



Avelina, és uma ótima escritora. Aprecio teus textos imensamente. Concisão admirável. Parabéns.

Ana Maria da Silveira Teixeira - Estância Velha



Acabei de ler o texto idosas aos 60, seria lugar comum dizer que adorei, sou uma admiradora do teu trabalho, mas sabe não me surpreendo mais quando vejo que estás escrevendo cada vez melhor, parabéns.

Gréti Alves - Porto Alegre



Uma curiosa passou por aqui.
Já gravei video falando da tua escrita agora escrevo.
É notável teu crescimento como autora.
Quando crescer quero ser igual .
beijos, sucesso

Helenice Trindade de Oliveira - Porto Alegre



Amei. Sucesso pra você.

Susana Juchem - Garibaldi RS



A senhora Hope, que habita o conto Obituário, é um exemplo dos personagens ricos que a Avelina sabe inventar nos retratos que tira do nosso cotidiano. Eu espero que Hope resista a estes tempos bicudos.

Dante Carlos Antunes - Porto Alegre



I hope UTI neonatal can keep hope alive!!!

Isabel - Pelotas/rs



Adoro os textos, a criatividade e a ligação com a realidade!!!! Sou muito fã .

Andrea Fuhro Sarkician - Pelotas, RGSul



Poderia falar um pouquinho de cada livro, mas vou me deter ao último, Nós, livro instigante, linguagem clara, absolutamente correta, amei.

Gréti Maria Montier Alves - Porto Alegre



Conheço a Inha desde sempre, quando nasci. Faz parte de uma turma de primos que encheram minha infância de alegrias. Desde muito cedo admirava sua força e seu trabalho, muito antes de publicar livros, já conhecia suas habilidades na escrita.

Sendo assim, foi com expectativa que li os primeiros contos e o livro "Nós", o qual li em um tempo só.A objetividade e a força dos contos impactam. Muitas sensações com tão poucas palavras.

Que venham muitos outros. Em tempos de embromações, ardis e falsas verdades esta escrita reta e rica encanta.

Patricia Fuhro Vilas Boas - Poa


Deixe seu recado

Maria Avelina Fuhro Gastal

E-mail: avelinagastal@hotmail.com

Clique aqui para seguir esta escritora


Site desenvolvido pela Editora Metamorfose