Eu era os Sete


Maria Avelina Fuhro Gastal

Bem branquinha e l醔ios carnudos. As semelhan鏰s paravam a. Na pele alva, milhares de sardas; a boca nunca teve cor de carmim; os cabelos, uma mistura de castanho claro/escuro e ruivo, uma mix髍dia; franja, nem pensar, as ondas abundantes nos fios a faziam crescer para os lados e em dire玢o aos c閡s, desconheciam a testa, enorme, como um ponto de perman阯cia.

Madrasta, nunca tive. Mesmo que tivesse, jamais correria riscos. Nenhum espelho diria a ela que eu era a mais bonita.

Na hist髍ia da Branca de Neve meus her骾s eram os Sete An鮡s. Eu espirrava, e ainda espirro, como o Atchim. Come鏾 o dia com, no m韓imo, tr阺 espirros e outros ao longo do dia. O Mestre tranquilizava meu lado mand鉶, afinal algu閙 precisa por ordem nas coisas. O Dengoso morava em mim e, como o Feliz, n鉶 sabia se manifestar, mas estavam l, doce, terno, alegre. O Zangado servia de escudo, no ran鏾 escondia sentimentos. O Soneca sa韆 do ar para n鉶 se envolver, nem sofrer. Do Dunga, trago at hoje os trope鏾s, alguma inadequa玢o e sil阯cios repletos de significados.

Agora, querem acabar com os An鮡s. Pensam em substitu-los por duendes ou algo do tipo. Seria incorreto trazer personagens com defici阯cias. Nunca os enxerguei como deficientes, mas como adultos que traziam em si partes que a crian鏰 que eu era tinha em conflito.

A ida e a volta da mina, todos cantando, cada um cumprindo o seu papel, mas encontrando prazer e harmonia na integra玢o, fazia com que caracter韘ticas, ou defeitos, sumissem frente totalidade.

Fantasia ref鷊io. Nela encontramos s韒bolos e respostas para sentimentos que n鉶 sabemos nominar. Isso nos faz sentir acolhimento. Identificamos como caracter韘tica aquilo que nos apresentado como defeito.

Pr韓cipes, princesas, fadas, an鮡s, bruxas n鉶 nos fazem mal. Eles conversam como os nossos temores e com os nossos desejos, que nem sempre s鉶 reconhecidos ou admitidos como leg韙imos.

Acho que a ervilha entre os colch鮡s a atitude e valores na vida real. As crian鏰s aprendem o que lhes transmitido e aquilo que percebem al閙 das palavras. Enquanto ignorarmos a ervilha e mantivermos uma sociedade desigual e preconceituosa, eliminar os An鮡s somente mais um ato vazio.



Deixe um recado para a autora

voltar

Maria Avelina Fuhro Gastal

E-mail: avelinagastal@hotmail.com

Clique aqui para seguir esta escritora


Pageviews desde agosto de 2020: 133807

Site desenvolvido pela Editora Metamorfose