Na cama com Lula


Maria Avelina Fuhro Gastal

A primeira noite foi em 6 de dezembro. As horas piscando no aparelho da TV a cabo e eu calculando o que ainda me restava de tempo de sono. Imposs韛el parar. Madrugada adentro e eu extasiada.

No dia seguinte, minha cervical do韆, meu m鷖culo do bra鏾 esquerdo ardia e o meu trap閦io era um 鷑ico n. Mesmo assim, encarei a noite. Troquei de posi玢o e me deixei levar. Paguei o pre鏾. Na quarta-feira, quase travada, me convenci que era melhor aproveitar os intervalos do meu dia do que horas seguidas durante a noite. E assim foi de quarta sexta-feira, em qualquer momento, em todos os intervalos, existentes ou criados.

Em 10 de dezembro, acabou. Valeram todas as horas e todos os minutos que dediquei leitura da biografia de Lula, Volume 1, escrita por Fernando Morais, e lan鏰da pela Companhia da Letras.

S鉶 423 p醙inas, in鷐eras fotos, que deveriam ser lidas e vistas por todos, at por aqueles que defendem o voto 揺m qualquer um, menos no Lula. O livro resgata a hist髍ia da luta sindical em um pa韘 sob ditadura militar, as irregularidades cometidas por Moro, e c鷐plices, e sua imparcialidade, o papel dos ve韈ulos de imprensa na desconstru玢o da figura do Lula e do Partido dos Trabalhadores.

Lula n鉶 endeusado. apresentado com contradi珲es inerentes a todos n髎, pelo menos 鄎ueles que s鉶 humanos. Simpatia pelo Golpe de 64 aos 19 anos de idade, avers鉶 ao mundo pol韙ico, timidez excessiva no trato com as mulheres e posterior comportamento 揼alinha ap髎 o luto pela perda da primeira esposa no trabalho de parto e do filho que nasceu morto.

A hist髍ia de retirante pobre contada para contextualizar as dificuldades vividas pela fam韑ia e reconhecer a for鏰 da matriarca, Dona Lindu, que implantou na fam韑ia a distribui玢o de renda pela necessidade e n鉶 por meritocracia.

N鉶 podemos mais viver em um pa韘 que se esfor鏰 para apagar a hist髍ia, negar atrocidades cometidas na ditadura. Sem encarar nosso passado, n鉶 avan鏰remos. Trope鏰mos em cad醰eres dos povos origin醨ios, do povo escravizado, de in鷐eros torturados e de v韙imas de milicianos e garimpeiros.

O livro traz os fatos, mostra a for鏰 de pessoas simples que se organizaram para enfrentar a explora玢o. Na p醙ina 312 conta a vit髍ia de um movimento de mulheres que trabalhavam na Resil, f醔rica de autope鏰s de Diadema. Os relatos v鉶 nos lembrando que poss韛el enfrentar poderosos e que em algum momento recente da nossa hist髍ia encontramos voz para nos opormos ao absurdo.

Em tempos de internet, fake News, memes e or鏰mento secreto, buscar informa珲es em publica珲es s閞ias nos ajuda a entender a import鈔cia do nosso voto.

N鉶 se assustem com o n鷐ero de p醙inas, a leitura flui. S n鉶 levem o livro para a cama, o peso da publica玢o cobra seu pre鏾 no dia seguinte em todos os seus m鷖culos superiores. Leiam, n鉶 para que votem nele, mas para que n鉶 votem em qualquer um. D no que deu.

O volume 2 j est sendo escrito. Nele estar鉶 as campanhas eleitorais para a presid阯cia e os dois mandatos presidenciais. hist髍ia, um pa韘 em movimento. J quero ler.

Mas tenho uma confiss鉶 a fazer. Espero que no pr髕imo volume seja inclu韉a a foto que viralizou mostrando as coxas do Lula. N髎 merecemos. Tem presidente atleta que deve estar se remoendo de inveja.

Deixe um recado para a autora

voltar

Maria Avelina Fuhro Gastal

E-mail: avelinagastal@hotmail.com

Clique aqui para seguir esta escritora


Pageviews desde agosto de 2020: 133893

Site desenvolvido pela Editora Metamorfose