Atropelo


Maria Avelina Fuhro Gastal

Dezembro me traz um sentido de urg阯cia. Sempre foi assim. A situa玢o agravou-se quando a minha filha nasceu no in韈io de um distante dezembro. Restaram-me quatorze dias para preparar o Natal, os dez primeiros dias do m阺 s鉶 para pensar no anivers醨io dela.

趌timo m阺 do ano e a consci阯cia das metas n鉶 atingidas, das mudan鏰s n鉶 feitas, dos encontros n鉶 acontecidos, das oportunidades perdidas, das escolhas impensadas e das n鉶 feitas.

Uma urg阯cia de fim irreal. Janeiro um novo ano, mas ainda um prolongamento dos nossos dias de muito tempo. No entanto, insistimos em retrospectivas e apostamos em novas possibilidades, mesmo que em nada alteremos nossa forma de agir ou jeito de ser. O pensamento m醙ico sobrep鮡-se realidade. E ele nos impulsiona a apostar em um ano melhor.

H dois anos tentamos reorganizar nossos quereres. Eles existiram, est鉶 nos calend醨ios j passados, na idade que acumulamos, nas rugas que apareceram, nas saudades que aprendemos a domar para n鉶 sucumbir.

Abandonamos possibilidades que, antes reais, transformaram-se em riscos. Aos poucos, vamos experimentando momentos, redescobrindo prazeres.

Penso no que escrevi ao longo do ano e percebo aquilo que deixei de escrever. No atropelo dos dias e da situa玢o que vivemos, esqueci de brincar com as palavras. O avestruz, Hollywood, Novos velhos amigos n鉶 chegaram at voc阺. N鉶 transpus para o papel a leveza desses temas que foram constru韉os na minha cabe鏰. Na frente do computador, as injusti鏰s, os desmandos, as atrocidades, o desrespeito gritaram e calaram amenidades.

Minha filha diz que carrego um caixote de ma玢 e que, a qualquer momento, subo nele, me inflamo e discurso. Escrevi a maioria dos textos em cima do caixote. Quisera n鉶 ter o que falar, nem precisar carreg-lo, mas est dif韈il.

Hoje, desci dele. Vou viver dezembro como ele merece ser vivido. Vou festejar o anivers醨io da R, pensar em cada um para decidir o que encomendar ao Papai Noel, embrulhar os presentes de Natal, assar um peru e reclamar do calor insuport醰el na cozinha, estar com o pequeno grupo familiar na noite de 24, arrumar a mala e partir para a praia com filhos, nora e netos para o Ano Novo.

E, para dar ainda mais g醩 a dezembro, comemorar entre o Natal e o Ano Novo o primeiro aninho do Miguel.
Em janeiro, recome鏰mos, prosseguimos. At l, pegarei leve. O t鉶 esperado 2022 est logo ali. Ser bom iniciar um ano com esperan鏰.

Deixe um recado para a autora

voltar

Maria Avelina Fuhro Gastal

E-mail: avelinagastal@hotmail.com

Clique aqui para seguir esta escritora


Pageviews desde agosto de 2020: 107486

Site desenvolvido pela Editora Metamorfose