Vida longa Rainha


Maria Avelina Fuhro Gastal

At poucas semanas atr醩 jamais escreveria algo inspirado pela Rainha Elizabeth II. Sempre a achei formal demais, conservadora ao extremo, incapaz de demonstrar emo玢o. Tudo bem se por exig阯cia do cargo, mas se est nele tamb閙 poderia contribuir com mudan鏰s. Tanta pompa e protocolo sempre me pareceram descabidos em um mundo t鉶 desigual. Continuo pensando assim, mas a Rainha conquistou a minha simpatia.

Aos 95 anos, ela declinou o t韙ulo de idosa do ano por n鉶 se considerar t鉶 velha para merec-lo. Lacrou. Ser idosa n鉶 est no n鷐ero de anos vividos. Est na desist阯cia de nossos sonhos, vontades e desejos.

Se a Rainha tem a seu favor uma vida de facilidades materiais, n髎 temos o absoluto desinteresse mundial sobre o que fazemos de nossos dias, de nossos relacionamentos, de nossas transgress鮡s.

Meu ran鏾 com ela impediu que eu percebesse sinais de sua vitalidade. Roupas em cores vibrantes, nunca 搕ailler discreto em cinza, preto ou marinho. E eu, h alguns dias, encasquetando se minhas cal鏰s jeans, 搇eggings, camisetas, bermudas, regatas e t阯is n鉶 estariam em desacordo com a idade que tenho. Dane-se a cronologia.

Rugas, cabelo branco, efeitos da gravidade no corpo s鉶 inevit醰eis. O que nos falta de col醙eno, pode sobrar em disposi玢o.

O tempo passou, mas n鉶 findou. H muito para se experimentar, descobrir, apreciar. Perdemos muitos afetos para a morte ou para a vida. Tivemos decep珲es, abandonos, equ韛ocos, arrependimentos. O que vivemos nos acompanha, mas deve ter o tamanho de uma lembran鏰, sem ocupar o espa鏾 de possibilidades de presente. O passado j foi, o futuro n鉶 existe. A vida no agora.

Vivemos o tempo de equilibrar vontades e possibilidades. Se jogar v鬺ei em uma quadra de areia pode complicar aquela dorzinha no joelho e impedir a caminhada, podemos escolher o que queremos. N鉶 h escolha certa, o erro n鉶 se permitir escolhas.

Se uma noite em claro nos cobra um pre鏾 alto, troquemos por finais de tarde, jantares. Podemos estabelecer nosso hor醨io limite para virar ab骲ora, sem deixar de aproveitar o baile. E, se estiver bom, lixe-se o estabelecido e continuemos a dan鏰r sem o sapatinho de cristal apertando nossos p閟.

Afinal, com que idade se idosa? E n鉶 me venham com o eufemismo de 搈elhor idade. Qualquer idade boa se soubermos estar vivos. Que a morte n鉶 nos encontre mortos antes da chegada dela. N鉶 d para facilitar o trabalho de quem sempre ganha.

Vida longa Rainha, e a n髎, usufru韉a a cada inspira玢o e expira玢o.

Deixe um recado para a autora

voltar

Maria Avelina Fuhro Gastal

E-mail: avelinagastal@hotmail.com

Clique aqui para seguir esta escritora


Pageviews desde agosto de 2020: 107434

Site desenvolvido pela Editora Metamorfose