Queremos Ouro


Maria Avelina Fuhro Gastal

Alguns dormiram, outros acordaram experimentando um sentimento h muito esquecido. At a esperan鏰 pareceu ganhar vez, o sorriso ficou mais f醕il. Uma menina de 13 anos resgatou em n髎 a leveza sufocada pela realidade massacrante.

Rayssa brincou, se divertiu, dan鏾u, deslizou e conquistou a Medalha de Prata nas Olimp韆das de T髊uio. Uma menina em cima de um skate, mostrando que n鉶 s meninos dominam a t閏nica de se manter em p naquele pedacinho de madeira com rodas. De quebra, derrubou preconceitos que fazem de todo skatista desocupado, drogado.

N鉶 foi Ouro na prova. N鉶 importa. Mesmo que n鉶 tivesse conquistado nenhuma medalha, ela tornou inesquec韛el a alegria e a espontaneidade que oculta empenho, garra e atitude para superar desafios.

O nome Rayssa significa 搈ais relaxada, 搑osa, 搇韉er. Se meninas devem vestir rosa, n鉶 pensem que isso ser o suficiente para podar a for鏰 feminina. O processo de empoderamento irrevers韛el. Sem que precisemos perder a ternura. Sem que nos tornemos duras, insens韛eis ou incapazes de nos divertir enquanto prosseguimos.

Em um mundo em que avan鏰 a extrema direita, as fronteiras se tornam mais sangrentas, as diferen鏰s econ鬽icas e sociais categorizam e excluem pessoas, ver uma menina skatista, brasileira brilhar, sorrir e comemorar com a mesma leveza com que competiu nos faz pensar que podemos lutar sem endurecer.

A pira Ol韒pica foi acesa por uma Naomi Osaka, filha de pai haitiano e m鉫 japonesa, atleta que se manifesta publicamente contra racismo, machismo e sobre quest鮡s de sa鷇e mental. Paulinho comemorou o quarto gol contra a Alemanha simulando atirar uma flecha, em homenagem ao orix Ox髎si. Laurel Hubbard, levantamento de peso, a primeira atleta trans na hist髍ia das Olimp韆das. H, pelo menos, 160 atletas da comunidade LGBTQT+, levantando bandeiras, assumindo posi珲es, vivendo seus relacionamentos. O mundo n鉶 vem mudando s para pior.

Engolfados por este turbilh鉶 pand阭ico associado ao tsunami de absurdos e desumanidades governamentais, precisamos treinar com afinco nossa capacidade de manter um olhar atento para aquilo que h de mudan鏰 e avan鏾 positivo. N鉶 f醕il, mas nenhum dos atletas ol韒picos chegou l enfrentando calmaria. Sempre haver advers醨ios. N鉶 podemos nos igualar a eles para vencer. Precisamos ser melhores, conquistar o p骴io com a mesma leveza que Rayssa subiu nele e levou cada um de n髎 juntos. Isso Ouro.

Deixe um recado para a autora

voltar

Maria Avelina Fuhro Gastal

E-mail: avelinagastal@hotmail.com

Clique aqui para seguir esta escritora


Pageviews desde agosto de 2020: 85220

Site desenvolvido pela Editora Metamorfose