Bomboniere de lembran鏰s - invent醨io 2020


Maria Avelina Fuhro Gastal

揜esolvi, ent鉶, colecionar levezas. Iniciei 2020 separando uma bomboniere transparente para nela colocar pap閕s dobrados, coloridos, descrevendo momentos e sensa珲es boas do ano. Minha ideia de, na virada para 2021, reler cada um deles e relembrar o que me fez bem ao longo do ano.

Esse trecho faz parte da cr鬾ica Bomboniere de lembran鏰s, publicada por mim em 07/01/2020. O Facebook me lembrou do post, hoje, exato um ano depois.

Decidi abrir os papeizinhos coloridos e coloc-los em ordem, por data. O que no in韈io s鉶 momentos de vida, logo se transformam em fatos isolados para dar algum sentido vida.

Lembran鏰s de encontros, risadas, viagens s鉶 substitu韉os por textos em mensagens, cart鮡s, por coment醨ios aos textos que publico aqui, conversas e sorrisos da minha neta na tela do celular. Fragmentos de leveza que possibilitaram suportar 2020.

N鉶 h lembran鏰 sem a presen鏰 do outro. Fica a aus阯cia, a impossibilidade da troca.

De todos os momentos importantes da minha vida, o que carrego como mem髍ia a sensa玢o causada pela presen鏰 do outro. Seja na sala da minha casa, na beira do mar 鄐 voltas com o Nordest鉶 ou nas 醙uas inigual醰eis do Caribe, nas ruas do interior do Estado ou nas avenidas do Rio de Janeiro, em qualquer canto do Brasil ou em qualquer canto de Portugal, It醠ia, Paris, Col鬽bia, Canad, Nova York, Chile ou Cuba o que me acompanha como leveza n鉶 s鉶 os museus, os shows, os pontos tur韘ticos, as compras. S鉶 as conversas madrugadas a dentro, as m韒icas do Imagem e A玢o, o biscoito Globo coberto de areia na boca da Alice, o creme brulle dividido e as horas caminhando em Paris que quase me custaram uma amizade de anos, a coragem da minha amiga em provar as formigas assadas em Barrichara, as descobertas de cantinhos em Nova York por ter a companhia da minha filha em infind醰eis caminhadas para sentir a cidade, a tarde de sol em um parque de Santiago com a Alice rolando na grama, viagem de fam韑ia para comemorar muito mais do que o meu anivers醨io, as tentativas lament醰eis de subir em uma cadeira de ar na piscina do hotel em Porto de Galinhas, sempre com o apoio incans醰el da R, acompanhado das, tamb閙, incans醰eis gargalhadas, as tentativas, em meio a risadas e caras de nojo, de encontrar um quarto na pousada em Varadero que funcionassem a descarga do banheiro e o chuveiro.

Mensagens, e-mails confortam, mas preciso da presen鏰, da voz, do olhar, da companhia, da troca. No lan鏰mento de Ecos e Sussurros faltaram as pessoas, a fila, o reencontro; no de Marias e Clarice, o ambiente do bar, o encontro de v醨ias Safras. No nascimento do Miguel faltou a expectativa na sala de espera, a vis鉶 dele no colo do meu filho sendo mostrado para n髎, os abra鏾s emocionados entre av髎, tios, irm e primo.

A vida n鉶 parou. Ela continua sem as presen鏰s. N鉶 importa o que eu tenha colocado na bomboniere de 2020, ele sempre ser o ano das aus阯cias.

Em 2021, continuarei com a bomboniere. Trocarei a l骻ica das cores dos papeizinhos. Tudo que me reconfortar, registrarei nos pap閕s verdes, com data e nome da pessoa que me trouxe alguma leveza naquele momento. O papel branco ser guardado para conter, em letras garrafais, s uma palavra: VACINADA. A partir da, faltar鉶 cores para identificar todas as lembran鏰s que vir鉶 com os encontros represados e todas as aus阯cias transformadas em presen鏰s.


Deixe um recado para a autora

voltar

Maria Avelina Fuhro Gastal

E-mail: avelinagastal@hotmail.com

Clique aqui para seguir esta escritora


Pageviews desde agosto de 2020: 61561

Site desenvolvido pela Editora Metamorfose