Conflu阯cia de tempos verbais


Maria Avelina Fuhro Gastal

Em 2020, eu viajaria mais. Receberia fam韑ia e amigos. Prepararia chocolate quente, feijoada, carne assada na panela ou no forno, sopas, saladas inventadas, sobremesas sem seguir receitas. At bolo eu tentaria acertar. Buscaria minha neta na escola algumas tardes, voltar韆mos conversando sobre o novo col間io e novos amigos, enquanto tocaria a playlist dela e cantar韆mos em dueto Mamma Mia, Be my baby e Lady Gaga. Lan鏰ria um novo livro com sess鉶 de aut骻rafos na Feira do Livro e estaria com amigos e fam韑ia naquele per韔do m醙ico da Pra鏰 da Alf鈔dega. Aumentaria para 10km minha meta di醨ia de caminhada. Continuaria com o pilates, o GAP, a zumba, o combat e experimentaria a funcional. Manteria a massagem, faria a manicure toda a semana e a pedicure a cada quinze dias. Faria viagens curtas para Pelotas, para a Serra, para o litoral, para algum lugar do interior s pelo prazer de viajar com amigos.

Na realidade, viajei uma vez. N鉶 recebi ningu閙. Estive com a fam韑ia e amigos bem perto de mim, sem a presen鏰 f韘ica. Cozinhei algumas vezes em quantidades maiores e distribu entre filhos e sobrinhos. N鉶 acertei o bolo. Minha neta teve aulas on line. N鉶 cantamos juntas, mas brincamos de maquiagem em v韉eo chamadas. Lancei um livro na Feira do Livro, n鉶 na Pra鏰, mas por live. Autografei, com muito carinho, e saudades, para cada um a quem o livro foi enviado pelos Correios. Retomei as caminhadas h dois meses, comecei com a meta de 4km, hoje estou em 6km di醨ios. Mantive o pilates, o GAP e a zumba, sempre que a conex鉶 n鉶 caiu ou travou. Massagem esqueci o que . Descobri que posso ser esfor鏰da, mas sou p閟sima manicure ou pedicure. N鉶 fui a Pelotas nem quando sabia que deveria e queria estar l. Prazer com amigos nem na Serra, nem no litoral, nem em viagens curtas, apenas nas telas quando a imagem n鉶 congelava.

Estou cansada de 2020, da pandemia, do isolamento. Estou indignada com tantas mortes, contamina珲es e de tanto descaso de um governo s醖ico. Estou envergonhada com tanta viol阯cia e morte por racismo. Abalada com tantos feminic韉ios. Chocada com tanta indiferen鏰 desigualdade social.

Hoje, quero acreditar que acabou. Vamos ao encontro de um novo ano. Por algumas horas acreditemos em um mundo melhor. Busquemos nessa cren鏰 a for鏰 para resistir ao que ainda vir.

Na virada estarei com meus filhos, nora, genro e netos. Agora, dois. No finalzinho de 2020, a chegada do Miguel e tr阺 dias inteiros com a Alice. Finaliza玢o do ano em forma de sonho e aconchego. Deste ano que termina sem ter come鏰do fico com o que tenho de mais importante na vida, minha fam韑ia e o afeto e respeito que constru韒os.

Em 2021, brigarei pelo que acredito, n鉶 calarei sobre absurdos, valorizarei, ainda mais, as pessoas que lutam por uma sociedade melhor. Continuarei pr髕ima aos que amo, com saudades pronta para explodir em abra鏾s e beijos. N鉶 esconderei o que sinto. Tomarei a vacina, qualquer uma, todas, tantas doses quantas forem necess醨ias. Usarei m醩cara, 醠cool em gel, selecionarei com quem estarei. Sentirei a troca das esta珲es no corpo.

Vamos dar cr閐ito ao novo ano. Pelo menos na virada. Se degringolar, j adquirimos experi阯cia para lidar com o imponder醰el. S n鉶 podemos aceitar, jamais, que a barb醨ie ven鏰. Ela tem for鏰. Se desanimarmos, ela extermina os vulner醰eis.

Chegamos at aqui. Pensemos em quem nos importante e desejemos a todos um 2021 mais leve, e que a esperan鏰 e o amor ven鏰m a intoler鈔cia e a indiferen鏰.

Brindo contigo a este novo ano que chega.

Deixe um recado para a autora

voltar

Maria Avelina Fuhro Gastal

E-mail: avelinagastal@hotmail.com

Clique aqui para seguir esta escritora


Pageviews desde agosto de 2020: 77345

Site desenvolvido pela Editora Metamorfose