Shakespeare e o Dorminhoco


Maria Avelina Fuhro Gastal

揙 destino o que embaralha as cartas, mas n髎 somos os que jogamos.

Consta que a essa frase de Willian Shakespeare. N鉶 sei precisar o ano, mas algo entre o final do s閏ulo XVI e o in韈io do XVII.

At hoje usamos met醘oras ou frases de efeito que t阭 por base jogos, sejam de cartas ou de tabuleiros. Express鮡s como 揹ar as cartas, 搙eque-mate s鉶 usadas em contextos de vida, e plenamente entendida por quem as escuta.

N鉶 sou nem um pouco afeita a qualquer tipo de jogo, me faltam paci阯cia, concentra玢o, persist阯cia e pensamento estrat間ico. Nas rodas de War, entregava meus ex閞citos ao inimigo com alegria s para me livrar daquela pasmaceira sem fim.

H, no entanto, um jogo com cartas que me diverte. O nome Dorminhoco. O jogo simples. Separa-se de um baralho normal, uma trinca de cartas do mesmo naipe para cada jogador. Deve-se separar tamb閙 um coringa. As cartas s鉶 embaralhadas e distribu韉as entre os jogadores, sendo que um ficar com 4 cartas e iniciar o jogo. Este jogador escolhe uma de suas cartas e passa para o jogador a sua esquerda. O jogo prossegue, sempre com um jogador passando uma carta para o jogador seguinte. Quem recebe o coringa, deve ficar com ele por uma rodada, devendo passar outra carta. Quando um jogador forma uma trinca deve baix-la, viradas para baixo, de maneira discreta. Os demais jogadores devem fazer o mesmo. O 鷏timo a baixar suas cartas ser o 揇orminhoco. O castigo na casa dos meus pais era levar uma marca de rolha no rosto. Levei v醨ias 搑olhadas, dei outras tantas. O perdedor final era aquele com mais marcas pela face. 纒 vezes, expand韆mos para o pesco鏾, bra鏾s e pernas por absoluta falta de espa鏾 no rosto para qualquer outra marca玢o.

Como Shakespeare me levou ao Dorminhoco? Desses caminhos que o pensamento faz, costurando fatos, ideias, viv阯cias, mem髍ias e sentimentos.

Na realidade, a ordem foi esta: Shakespeare me levou a Willian Shakespeare, que me levou frase, que me fez pensar em destino, dele nos vi jogando e, por fim, a 鷑ica liga玢o poss韛el era o Dorminhoco.

Shakespeare foi a segunda pessoa a receber a vacina contra a Covid-19 no Reino Unido. A not韈ia do dia, in韈io da vacina玢o em algum lugar do mundo, une o local e o nome do segundo vacinado ao maior dramaturgo da hist髍ia. Isso pensei como destino, quem sabe saudando a possibilidade de esperan鏰. Cartas foram jogadas para que houvesse a aplica玢o da vacina, a 鷑ica possibilidade, at o momento, de retomarmos nossas vidas.

Nosso destino foi ter nascido aqui. O que temos feito do pa韘 passa pela forma como temos jogado. O que causamos ao Brasil reverbera em n髎, popula玢o. Morremos 鄐 pencas contagiados pelo v韗us, mas o jogo armado n鉶 considera isso relevante. E nunca ocultaram isso.

Somos jogadores de Dorminhoco. Buscamos entre n髎 a quem 搑olhar. Deixou de ser brincadeira. Passou a ser uma forma de ataque. Enquanto isso, n鉶 s鉶 s negros ou pobres, n鉶 s鉶 s velhos ou incapazes que morrem. morte desses j temos anticorpos. Nem s comunistas, ou fascistas. Morrem av髎, pais, filhos, irm鉶s, familiares, amigos, 韉olos, conhecidos, colegas, vizinhos. A vida segue, afinal n鉶 passa de uma gripezinha que n鉶 atinge quem n鉶 maricas.

Todos os dias levamos diversas marcas de rolha. J n鉶 cabem mais em nossos rostos. Dorminhocos, nos distra韒os em um jogo de morte. Eles jogam com nossas vidas. E n鉶 acordamos nem assim.

Chegar o momento em que sairemos do jogo, ou por ter sucumbido no caminho ou por estar chorando a morte de algu閙 muito pr髕imo.

Que o destino seja generoso conosco, pelo menos uma vez. S acreditarei nessa possibilidade se o nome do primeiro vacinado, aqui, n鉶 for Jair. Se for, terei certeza de que as cartas continuam sendo dadas por quem n鉶 respeita a n髎 nem vida.




Deixe um recado para a autora

voltar

Maria Avelina Fuhro Gastal

E-mail: avelinagastal@hotmail.com

Clique aqui para seguir esta escritora


Pageviews desde agosto de 2020: 77334

Site desenvolvido pela Editora Metamorfose