Enigma


Maria Avelina Fuhro Gastal

S guardo aquilo que traz ess阯cia, significado. Pode estar em um cart鉶, em um peda鏾 qualquer de papel ou apenas na mem髍ia onde preservo palavras, frases, conversas, olhares, momentos e sensa珲es. O protocolar, aceito, agrade鏾, mas n鉶 mantenho, pois falta o que o tornaria 鷑ico, portanto, perene, mesmo que n鉶 mais presente.

Tenho arranjos de flores secas pela casa ou p閠alas dentro de livros. S鉶 aquelas que marcaram pela forma como foram dadas. As outras, compradas para enfeitar os demais vasos, substituo quando perdem a beleza, pois essa a 鷑ica qualidade que possuem, s鉶 vazias de significado.

Tenho mais dificuldade de me desfazer de um t阯is furado do que de um sapato novo que n鉶 esteve nos meus p閟 em nenhum caminho que me trouxesse descobertas, prazeres ou desafios.

Dos filhos, dos sobrinhos, da neta guardo todas as manifesta珲es de carinho, desde a garatuja at as palavras mais tocantes grafadas em cart鮡s, bilhetes, canecas, dedicat髍ias. A cada uma acrescento lembran鏰s; s鉶 os fios que tra鏰m a nossa caminhada.

Sou acumuladora de sentimentos, emo珲es, lembran鏰s, n鉶 de objetos; s permanecem aqueles com ess阯cia. H uma exce玢o, e n鉶 entendo o motivo.

Acumulo chaves. N鉶 todas. Deixei para tr醩 as de casas em que morei, as de carros que tive, as de salas e consult髍ios onde atendi; o vivido trago em mim. Mantenho as que n鉶 sei a que espa鏾, fechadura pertencem, aquelas que desconhe鏾 o que trancam ou abrem.

Elas est鉶 em uma caixa quadrada, n鉶 muito grande, talvez 10cmx10cm, com 6 cm de profundidade, mais ou menos, em uma das gavetas do arm醨io da sala. Contradizem todo o resto que existe ali, mas n鉶 consigo me desfazer delas.

Posso pensar em diversas explica珲es. Todas tentativas, nenhuma resposta. Se existem, j tiveram uma fun玢o. Se est鉶 comigo, a algo da minha vida j deram acesso. Se n鉶 lembro, talvez tenha trancafiado por algum motivo. Se delas me desfa鏾, impedirei a abertura que possa me trazer liberta玢o ou me liberarei daquilo que me prende?

E se algu閙 as encontrar, entender que n鉶 lhe pertencem, e, portanto, n鉶 pode us-las? Chaves usadas sem permiss鉶, n鉶 abrem, arrombam.

A caixa onde as guardo n鉶 tem chave, pois se eu a perdesse, perderia junto qualquer possibilidade de decifrar meus enigmas.

Nas chaves, a ess阯cia de todas as respostas que busco.


Deixe um recado para a autora

voltar

Maria Avelina Fuhro Gastal

E-mail: avelinagastal@hotmail.com

Clique aqui para seguir esta escritora


Pageviews desde agosto de 2020: 24190

Site desenvolvido pela Editora Metamorfose