Aurora precursora


Maria Avelina Fuhro Gastal

A noite quente e 鷐ida. O bichar ao ch鉶 faz a pele co鏰r ao seu contato.

Conversa com as estrelas. H anos mant閙 com elas um di醠ogo intenso. S as estrelas conhecem seus anseios. Respondem aos seus desejos com um brilho intenso e um sil阯cio respeitoso.

Estar ao relento n鉶 lhe novidade. Mesmo na est鈔cia, buscava na escurid鉶 da noite um pouco de paz para sua inquieta玢o. Sob o c閡 livre.

N鉶 sabe ler, nem escrever. Conta os dias pelas tarefas, as semanas pela lua, as esta珲es pelas cores das plantas, pelos cantos dos p醩saros e pela intensidade do sol e os anos n鉶 lhe fazem diferen鏰, pois nunca nada muda.

Do mundo s conhece aqueles pagos. Ouve dos velhos hist髍ias de um outro tempo, em um outro local, onde a maior diferen鏰 a liberdade. S escuta, n鉶 conhece. Mas sonha.

Naquela noite as estrelas testemunham seu sonho. Nunca a liberdade esteve t鉶 perto. O fim da guerra est pr髕imo. Os comandantes est鉶 inquietos. A ele s resta esperar.

Olha para a m鉶 e n鉶 v a lan鏰 em sua extens鉶. Falta-lhe uma parte. Nos 鷏timos anos manteve sua vida e a dos companheiros com a for鏰 daquela arma. Cada inimigo que tombou, deixou-o mais pr髕imo de seu sonho. N鉶 se enxerga livre sem ela. Por ordem do comandante foi recolhida. N鉶 h necessidade de mant-la, dizia ele, pois n鉶 h risco de ataque.

Os olhos pesam. A madrugada j se despede. O sil阯cio lhe inquieta. Resiste. N鉶 quer dormir. Teme adormecer sem sua lan鏰 e acordar no cativeiro. Ela o seu caminho para a liberdade.

O sil阯cio rompido. O ch鉶 cobre-se de vermelho. Seu peito arde. N鉶 v as estrelas. A aurora testemunha. N鉶 de seu sonho, mas de sua morte.


O Vinte de Setembro precursor de qual liberdade? Conquistada a partir de uma trai玢o, n鉶 faz de n髎 um povo aguerrido e bravo. Se h alguma chance de que nossas fa鏰nhas sirvam de modelo a toda a terra, reconhe鏰mos o Massacre de Porongos como desonra. Sem essa virtude, somos escravos pela vergonha por nossos atos. Apagar as mem髍ias, 揵ranquear a hist髍ia, enaltecer traidores, n鉶 demonstra valor, const鈔cia. N鉶 houve maior injusti鏰 na 韒pia guerra do que o assassinato dos Lanceiros Negros. Tiveram promessa de liberdade, receberam exterm韓io.

Deixe um recado para a autora

voltar

Maria Avelina Fuhro Gastal

E-mail: avelinagastal@hotmail.com

Clique aqui para seguir esta escritora


Pageviews desde agosto de 2020: 24236

Site desenvolvido pela Editora Metamorfose