Open house


Maria Avelina Fuhro Gastal

Falta a pilha de pratos na pia, as almofadas desalinhadas, os envelopes das fotos esculhambados. Tudo vazio, organizado, silencioso h tempo demais.

J n鉶 moro mais na minha casa. Com a aus阯cia de todos, moro muito mais em mim do que nela. Revisito encontros, brincadeiras, conversas, conflitos.

Percebo que nunca algu閙 que eu n鉶 quisesse estar perto veio minha casa. Sozinhos ou em grupos sempre estive com quem queria aqui. Hoje, um hoje que j tem cinco meses e meio, n鉶 adianta querer. Nossa vontade deu lugar dist鈔cia entre n髎. Cuidar ficar longe, suportar a aus阯cia em nome da vida.

A mesa de apoio da churrasqueira virou suporte da mata atl鈔tica, a lareira permanece apagada. Fogo aconchego. Sozinha, me enrolo em mantas, tomo ch quente, uso pantufas e visto uma pilha de casacos descombinados.

Morando em mim descubro que eu e a casa dividimos uma caixa de mem髍ias e segredos. Ela testemunha preparativos, expectativas cada vez que abro a sua porta para que algu閙 entre. E cala toda vez que a porta fechada depois que partem.

N髎 as duas n鉶 nos bastamos. Somos c鷐plices, mas n鉶 o suficiente uma para a outra. Ela tem espa鏾 para muitos, eu tamb閙. Os vazios pesam. Ela me consola ofertando sol ao longo do dia, espa鏾s que me aninham para ler, para escrever, para apenas lembrar.

Tenho mostrado a ela o quanto quero deixar de sermos s n髎. Repenso espa鏾s, imagino altera珲es. Ela aceita a possibilidade de se ver vestida com m髒eis mais claros. Compactua para que os tempos sombrios fiquem para tr醩, junto com os cupins que debocham de n髎 deixando rastros.

Ontem, encomendei cem pares de prop閟. N鉶 quero que ningu閙 se sinta obrigado a tirar os sapatos, enquanto ela n鉶 quer que venha nas solas o mundo amea鏰dor e sujo. Esse foi meu momento de esperan鏰. N鉶 quero perder por um minuto a possibilidade de ter as pessoas de volta aqui. Os que sempre vieram e todos aqueles que ser鉶 convidados a vir. Estarei preparada para abrir a casa, retomar a vida e voltar a pensar no que servir, o que comprar, a ouvir a reclama玢o sobre bebidas nunca geladas o suficiente.

N鉶 vejo a hora de ouvir vozes, risadas, confiss鮡s que s a presen鏰 de outros pode trazer.

Na minha open house s chegar. E que possam chegar logo.

Deixe um recado para a autora

voltar

Maria Avelina Fuhro Gastal

E-mail: avelinagastal@hotmail.com

Clique aqui para seguir esta escritora


Pageviews desde agosto de 2020: 24239

Site desenvolvido pela Editora Metamorfose