Kit pandemia


Maria Avelina Fuhro Gastal

Dizem que se n鉶 mudarmos nossa forma de estar no mundo, teremos diversas pandemias. Al閙 das futuras, n鉶 sabemos at quando a atual durar, nem quantos ondas ainda teremos que surfar.

J que n鉶 parece que o jeito de consumirmos ou nos relacionarmos com o universo v sofrer grandes altera珲es, considerando a forma como in鷐eros teimam em n鉶 usar m醩caras ou em n鉶 provocar aglomera珲es, pensei que nos resta a op玢o de estarmos melhor preparados para as pr髕imas quarentenas.

Meu kit b醩ico parte das faltas na experi阯cia atual. Em primeiro lugar, manterei estoque de refil de etiquetador. Ando com s韓drome de abstin阯cia. Cada coisinha que organizo fica incompleta sem a etiqueta com moldura em letra Bold, negrito. Estou poupando ao m醲imo o restinho de refil que tenho. V que apare鏰 uma urg阯cia. N鉶 sei bem o que caracterizaria uma emerg阯cia 揺tiquetat髍ia, mas, quando acontecer, quero estar preparada.

Caixas organizadoras. V醨ias. Diversos tamanhos. Com e sem tampa. Nas cores que combinem com as que j possuo. Gente, impressionante como tudo pode ser colocado nelas. Os arm醨ios ficam lindos, f醕eis de limpar, funcionais. Imagina se em cada caixa tiver a etiqueta correspondente. Para韘o.

Imprescind韛el formas, panelas, frigideiras antiaderentes. Tenho v醨ias, mas sempre falta exatamente a do tamanho que preciso. Apesar das minhas unhas e m鉶s estarem um horror, usar bombril sempre agrava a situa玢o, ainda mais que n鉶 desisto at n鉶 restar um cantinho sem brilho nos utens韑ios nem um cantinho sem sangrar nos dedos.

Tinta para cabelo. J nem me importa a cor. Vai do louro Marilyn, passa pelo vermelho intenso e vai at o preto azulado. Qualquer coisa que esconda os grisalhos. Posso ir testando e arrasar no final da quarentena. Quem sabe at um mix de cores, tipo j nem sei mais quem sou.

Penso, tamb閙, que providenciarei artefatos de faxina e limpeza. Tem dado muito trabalho o processo de quarentena deles at o uso. O 鷏timo que recebi, um rodo com esponja vertical, haste regul醰el, perfeito para cantos, costas de m髒eis e piso embaixo de sof醩, veio da China. Resultado, ainda n鉶 usei. Primeiro borrifei 醠cool no pacote e deixei quatro dias no sol, depois abri o papel鉶, 醠cool no pl醩tico que envolvia o rodo e mais sol. Choveu. O tempo foi estendido. Eu evitando de passar por perto. Desde ontem, embalagem no processo de bronzeamento. Amanh, retiro o pl醩tico, mas n鉶 vou poder usar ainda. Falta o processo de elimina玢o do v韗us no pr髉rio artefato. Sabe-se l de onde vir o pr髕imo v韗us, ent鉶 melhor me antecipar.
O item fundamental do meu kit precisa ser aceito por alguns como pacto. Ao menor sinal de uma pandemia, seja na China, em Madagascar, na Amaz鬾ia ou em Cangu鐄, todos n髎 que moramos sozinhos iniciamos uma pr-quarentena. Tomamos banho com 醠cool, desinfetamos nossas casas e carros, abastecemos nossas despensas com alimentos n鉶-perec韛eis. Quando estivermos isolados de todos, protegendo quem amamos ou sendo protegidos por eles, estaremos em condi珲es de nos visitarmos, sem risco de contamina玢o, e passarmos juntos por momentos de saudades. Sem abra鏾s, mas acompanhados.

Quem topa?

Deixe um recado para a autora

voltar

Maria Avelina Fuhro Gastal

E-mail: avelinagastal@hotmail.com

Clique aqui para seguir esta escritora


Pageviews desde agosto de 2020: 24219

Site desenvolvido pela Editora Metamorfose