Quarent...鉶+1


Maria Avelina Fuhro Gastal

Quem o conheceu crescido n鉶 entende o apelido, Alem鉶. N鉶 traz na mem髍ia aquele menininho loiro, de olhos entre o azul, o verde e o mel, com cara sapeca e um sorriso ladeado que se abria mais para a direita do que para a esquerda, enquanto a cabe鏰 pendia para o lado contr醨io.

T鉶 logo conseguiu se soltar das tiras do macac鉶 que agarrava com firmeza para ter seguran鏰 ao caminhar, chutou uma bola. Com o p esquerdo. Mas nunca foi canhoto. Pensou em ser jogador, se tornou m閐ico.

Atravessamos os tempos construindo o que hoje somos.

Deixei de ser filha para ser m鉫 sem ter tido tempo de me tornar adulta. Aprendemos juntos a construir a nossa rela玢o. O susto inicial, o medo de falhar, as c髄icas, os palpites intermin醰eis cruzavam o nosso caminho. Passamos a nos descobrir nos momentos em que estivemos a dois. Tivemos que lutar por eles.

A for鏰 que encontrei para me fazer m鉫 veio dele. Da sensa玢o de plenitude quando adormecia no meu colo. Da m鉶 que se apoiava no meu corpo enquanto mamava. Do olhar que passou a se encontrar com o meu a cada amanhecer e que se entregava aos poucos ao sono em cada noite. Aos poucos, sorrisos acompanhavam o olhar. Reconhec韆mo-nos como m鉫 e filho. Encontr醰amos em n髎 ternura e confian鏰 no que 閞amos capazes de ser um para o outro.

Ainda lembro dos bracinhos que me envolviam o pesco鏾, das tentativas de beijos com a boquinha grudada no meu rosto e deixando marcas de baba. A primeira risada dobrada, para mim um sinal de que era feliz por ser meu filho.

Merecia uma primeira gradua玢o aos dois anos de idade quando esteve por dias e noites ao meu lado, riscando e rabiscando pap閕s, enquanto eu escrevia meu TCC. Foi companheiro, respeitoso e parecia entender que precis醰amos nos concentrar. Quem precisava era eu. Ele poderia n鉶 ter aceitado. Tinha esse direito.

Cresceu embolado no meu pr髉rio crescimento. Por vezes, faltou-lhe m鉫. Sobrava universit醨ia, dona de casa, filha. Eu deveria ter entendido os sinais. Que crian鏰 diz professora do maternal que a palavra que a mam鉫 mais diz 揂pura. Com tr阺 anos! Estava l, nos cartazes dedicados a n髎, no Dia das M鉫s, onde cada aluno fez um retrato da m鉫 atrav閟 da comida e brinquedos favoritos e da palavra mais dita por ela.

Era pura emo玢o. Chorou muito pela morte da m鉫 do Bambi e em cada vez que assistiu ao Saltimbanco Trapalh鮡s quando, na 鷏tima cena, escorre uma l醙rima dos olhos de uma cabe鏰 de cavalo de brinquedo.

Recebeu a irm com certo temor. Defendeu seu lugar, ocupando a cama do hospital bem grudado em mim. Afirmava n鉶 estar se sentindo muito bem e que era melhor ficar ali. Nada que o impedisse de visitar a cafeteria com frequ阯cia. O ber鏾 da R era empurrado para uma certa dist鈔cia. Queria evitar que ela tamb閙 ficasse doente. Mas nesse movimento havia delicadeza e um olhar de carinho, amor e cuidado que perdura.

Quase me enlouqueceu na escola. Mas equilibrava a indisciplina e o descompromisso com o pavor pela reprova玢o. Cumpria o m韓imo, embora tivesse capacidade para o m醲imo. Correu atr醩 do preju韟o e hoje exerce a profiss鉶 que escolheu, sem ter desistido quando precisou ir atr醩 daquele m醲imo que sempre existiu nele.

Em fantasia, muitas vezes o perdi na adolesc阯cia ou no in韈io da vida adulta. A cada sa韉a na noite, entrada no mar, ver鉶 com os amigos, festa dos cem dias eu esperava pelo pior. Loucura. Quase o perdemos h dois anos. Loucura real. Superou, venceu e o tempo todo se preocupava com os outros.

Ele assim. Tem um apego fam韑ia, um cuidado com os afetos que n鉶 se manifesta em grandes demonstra珲es, mas est鉶 presentes no olhar, na presen鏰, no jeito em que 鄐 vezes me abra鏰 do nada.

Alem鉶, esse texto pra ti. Se hoje n鉶 posso te abra鏰r, quero que saibas que aquilo que sou de melhor, teve in韈io em ti. Me fizeste m鉫, me fizeste av. Sem o teu nascimento talvez eu nunca tivesse deixado de ser filha.

Quando pudermos estar juntos de novo, quero aqueles abra鏾s do nada que sempre me fazem bem.

Podes me pedir aquilo que te fizer bem. Eu tentarei mais uma vez ser a m鉫 que mereces.


Deixe um recado para a autora

voltar

Maria Avelina Fuhro Gastal

E-mail: avelinagastal@hotmail.com

Clique aqui para seguir esta escritora


Pageviews desde agosto de 2020: 24193

Site desenvolvido pela Editora Metamorfose