Positivo operante


Maria Avelina Fuhro Gastal

Sou a louca da m醩cara. N鉶 saio sem ela, uso em casa quando h mais algu閙 aqui e, at no carro, mesmo estando sozinha. Na entrada do meu apartamento tem um frasco de 醠cool em gel, outro no carro, um em cada bolsa, at mesmo na pochete da caminhada. Minha vida social ficou congelada em 2020. Raros encontros com pouqu韘simas pessoas, sempre em local aberto ou muito arejado. N鉶 vou a lojas, cinema. Fujo de aglomera珲es. Supermercado, s em hor醨ios de menor movimento.

Minha neta foi a primeira, seguida da minha nora e do meu filho. Eu, firme. Zerada. Do nada, uma dor de cabe鏰. No dia seguinte, cerca de 450 espirros por hora. N鉶 fosse o positivo deles, jamais pensaria em testar. Nada diferente das crises al閞gicas que tenho de mar鏾 a novembro, talvez, apenas uns 200 espirros a mais. Testei positivo.

Abro m鉶 de tudo, mas de beijar, afofar, abra鏰r, rolar no ch鉶, brincar, cantar, me aconchegar com os meus netos vai al閙 do que me poss韛el. J estivemos tempo demais afastados por conta do v韗us, n鉶 suportaria continuar assim.

Apesar da idade, cruz na pandemia sob a amea鏰 de grupo de risco, fui quem teve sintomas mais leves. Sem febre, sem dores musculares, sem tosse, sem falta de ar, sem perda de olfato ou paladar, sem dist鷕bios g醩tricos. Fiquei s na dor de cabe鏰 e na quantidade inacredit醰el de espirros.

Estamos todos bem. Eu, ainda em isolamento. Voltei a ver a vida pela janela.

Do ponto de vista de sa鷇e, superamos sem traumas. Do ponto de vista da exist阯cia, todas as feridas ainda n鉶 cicatrizadas voltaram a arder. A passagem do tempo foi novamente subordinada ao v韗us. Cada dia encerrava a expectativa de melhora e o p鈔ico do agravamento. Imposs韛el esquecer todo o sofrimento e perdas que acompanhamos nesses dois anos.

Mensagens di醨ias, na realidade, v醨ias. V韉eo chamadas onde at a cor dos meus l醔ios foi questionada, fazendo com que eu tivesse que buscar um lugar na casa com ilumina玢o adequada para provar que n鉶 estavam arroxeados. O medo estava presente em todos n髎. Tememos uns pelos outros, por n髎 mesmos. Tentamos manter as apar阯cias para tranquilizar o outro, que fazia o mesmo pelos outros.

Repito, estamos bem. Sabemos que nem todos t阭 essa sorte, mesmo vacinados. N鉶 d para baixar a guarda. A pandemia n鉶 terminou, n鉶 importa o quanto estejamos cansados disso tudo.

Eu vou continuar de m醩cara, usando 醠cool em gel, mantendo distanciamento, evitando aglomera珲es. Pode haver entre a multid鉶 algu閙 que, como eu, n鉶 imagine que sua alergia, na realidade, seja COVID.

Cuidado por mim, pelo outro, pela comunidade em que vivo, pelas vidas que me cercam. Estamos rodeados por pragas em todos os n韛eis. Control-las ou extermin-las depende da nossa conduta e responsabilidade. Portanto, fique de m醩cara, use 醠cool em gel, evite aglomera珲es, acrescente o uso de repelente, livre-se da 醙ua parada em vasos, pneus e p醫ios, e vote com consci阯cia social e humanit醨ia.

Deixe um recado para a autora

voltar

Maria Avelina Fuhro Gastal

E-mail: avelinagastal@hotmail.com

Clique aqui para seguir esta escritora


Pageviews desde agosto de 2020: 133879

Site desenvolvido pela Editora Metamorfose